Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Campus Votuporanga forma seu primeiro estudante surdo

Publicado: Sábado, 23 de Dezembro de 2023, 17h33 | Última atualização em Sábado, 23 de Dezembro de 2023, 19h11 | Acessos: 1033

Colaboração entre família, professores, Napne e Sociopedagógico foi fundamental


À direita, Kayke Nunes em clique com o irmão e sua mãe, Leyla, antes da formatura [Fotografia: arquivo do IFSP]


Na noite de 21 de dezembro de 2023, Kayke Fernando Vieira Nunes formou-se Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio no Campus Votuporanga do IFSP. Surdo, ingressou no curso em 2019, tendo enfrentado dois anos letivos de ensino remoto (2020 e 2021). A conquista foi possível pela combinação de esforço pessoal, dedicação familiar e a atuação dos profissionais do IFSP. A cerimônia ocorreu na Câmara Municipal de Votuporanga-SP e reuniu mais de 300 pessoas.

Leyla Nunes, mãe do agora egresso, comemora a conclusão do curso e exalta o comprometimento dos servidores desde o momento da matrícula. “Fomos acolhidos por toda equipe, que realmente quis saber sobre o que o Kayke necessitava”, conta. Para ela, a adaptação das aulas e atividades foi bem desenvolvida. “Só tenho a agradecer ao Instituto Federal. O Kayke se desenvolveu, cresceu. Além de ser uma instituição que pensa no adolescente, em sua formação, é uma escola humana”, afirma.

Durante a caminhada no IFSP, o agora técnico em informática, teve apoio dos gestores, professores e administrativos. Por meio do Núcleo de Apoio às Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas (Napne) e da Coordenadoria Sociopedagógica (CSP), Kayke teve acesso a um Plano Educacional Individualizado, o PEI. Leyla, sua mãe, participou do Napne. As disciplinas e conteúdos foram flexibilizados. Os professores realizaram adaptação metodológica e de conteúdo com produção específica de slides e provas.

 

Kayke Nunes, o professor Bizio e parte da equipe do Napne do Campus Votuporanga na produção de mural para o III Simpósio de Inclusão [Fotografia: Juliana Leão]


Para Lucimar Bizio, coordenador do Napne, o ensino remoto provocado pela crise sanitária foi o desafio mais complexo. “Buscar a ferramenta adequada, o tempo de interação, a quantidade de disciplinas, uma interpretação em Libras sem o contato presencial”, relata o professor que lecionou para Kayke por mais de dois anos, além de ter sido um dos intérpretes durante o curso.

 

Diante da pergunta sobre o que carregará consigo da caminhada com Kayke, o professor Bizio destaca a “imagem de um jovem surdo disposto sempre a aprender, amigo, companheiro, que nunca reclamou de enfrentar as atividades propostas”.

 

Mensagem aos formandos, familiares e servidores do IFSP

No encerramento da cerimônia de formatura das turmas 2023 dos Cursos Técnicos do Campus Votuporanga, foi exibida esta mensagem:

registrado em:
Assunto(s): Surdez , Napne , Educação Especial ,
Fim do conteúdo da página