Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Clube da Robótica é premiado no Torneio SESI de Robótica 2019/2020

Publicado: Sexta, 06 de Março de 2020, 14h33 | Última atualização em Sexta, 06 de Março de 2020, 18h23 | Acessos: 182

 

Iniciativa une robótica educacional e inclusão social desde início em 2015


O projeto de extensão Clube da Robótica obteve duas medalhas no Torneio SESI de Robótica (FLL), temporada 2019/2020. No SESI Indaiatuba-SP, dias 7 e 8 de fevereiro de 2020, a delegação da equipe StarBots Votu, vinculada ao projeto e constituída por 35 pessoas, entre crianças, adolescentes, mentores e técnicos, foi premiada na categoria Melhor Design de Robô. A etapa reuniu 32 equipes de escolas públicas e particulares do estado de São Paulo.

 

Já em Contagem-MG, a competição reuniu equipes de toda região Sudeste do país, num total de 36 times que competiram dias 15 e 16 de fevereiro. O Clube da Robótica foi representado pela equipe R2-D BOTS, que recebeu a premiação "Contra todas as adversidades", que parabeniza a trajetória de superação. A delegação da R2-D BOTS foi composta por 9 pessoas, sendo 5 estudantes competidores.

 

O projeto tem fomento do IFSP, por meio do edital 777/2019, lançado para apoiar a nucleação de equipes de estudantes para participar de feiras, mostras e competições.

 


 

Desde 2015, a entidade Lar Frei Arnaldo, localizada em Votuporanga-SP, é palco de ações de extensão na área de robótica educacional, cujo público-alvo são crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social atendidos pelo lar. A liderança é da servidora Isabel Cristina Passos Motta, conhecida como Bel, ocupante do cargo de Assistente de Alunos no Câmpus Votuporanga. Confira a entrevista com a servidora:

 

Bel com o troféu de melhor técnica, no SESI Indaiatuba, em 2018


 

IFSP - O IFSP tem 36 câmpus em funcionamento. Além de Votuporanga, participou da etapa no SESI Indaiatuba a equipe de Salto, apenas. Como você percebe o protagonismo do Câmpus Votuporanga no campo da robótica educacional e quais são os desafios do IFSP nessa área?

 

Isabel Motta – Estamos vivendo um momento de fortalecimento da cultura da Robótica no Câmpus Votuporanga, por conta dos resultados. A nucleação de equipes, por parte do IFSP, traz apoio para aquisição de materiais, fortalecendo o trabalho desenvolvido e impulsionando novas equipes.

 

IFSP – Quais foram as principais conquistas do projeto em competições de 2015 a 2020?

 

Isabel Motta - Em 2015, conquistamos o primeiro lugar na categoria Core Values na etapa regional de Araras-SP do Torneio de Robótica First Lego League (FLL), organizado pelo SESI, com participação de estudantes de escolas públicas e particulares. O nome do projeto de extensão precursor foi "Jovens Disseminadores do Saber", fomentado com bolsa pelo IFSP e desenvolvido no Lar Frei Arnaldo.

 

Na temporada 2016/2017, a Core Values veio na etapa regional de Belo Horizonte-MG e na nacional em Brasília-DF do torneio.

 

Na 2017/2018, ficamos em 10º lugar geral, de um total de 83 equipes. Também conquistamos o Core Valeus na regional (Indaiatuba-SP) e o 2º lugar nessa categoria na nacional, que naquele ano aconteceu em Curitiba-PR.

 

Seguimos firmes em 2018/2019 e, na regional de Jundiaí-SP, além do Core Values, fomos premiados com o 1º lugar do "Gracious Professionalism". Em 2019, também participamos da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR).

 

IFSP - A iniciativa de extensão começou em 2015 e concilia robótica e inclusão social. Quais são as transformações de perspectiva de mudança de vida que você testemunhou durante esses cinco anos?

 

Isabel Motta – Estudantes que frequentaram o projeto decidiram fazer o Ensino Médio no IFSP! E alguns seguiram para cursos relacionados com a área, como engenharia de produção, engenharia mecânica e física. Além disso, estudantes do Ensino Fundamental que se destacaram na robótica com o projeto também conseguiram bolsas em escolas particulares da cidade. Durante o tempo em que passam com a robótica, deixam de estar nas ruas.

 

IFSP – Nesta semana, você recebeu a notícia de que um projeto de sua autoria, submetido em edital da Positivo, com base na experiência desses anos todos no lar Frei Arnaldo, foi escolhido para desenvolver Robótica com crianças de 3 a 6 anos, recebendo capacitação e materiais da Lego Education, cobrindo uma faixa etária que o IFSP não atende. Na condição de servidora do IFSP, qual o valor da contribuição da Extensão para o fortalecimento da Educação Pública perante o imaginário da população em geral?

 

Isabel Motta - Permite a população entender que uma instituição pública não promove benefícios apenas no seu espaço físico e somente ao público interno. Vai muito além a sua contribuição, de várias formas. No caso do meu projeto de extensão, o foco é fomentar o interesse pela Ciência & Tecnologia desde o Ensino Fundamental, pois a partir do momento que conseguimos instigar as crianças, se torna natural a crença de que a educação muda o mundo, seja o dela naquele momento, seja de forma geral. Proporciona a certeza de que o caminho é a educação, que todos podem contribuir para o desenvolvimento da sociedade, mesmo uma criança ou adolescente, que já tão cedo são estimulados a pesquisar e encontrar soluções viáveis para situações reais. Os projetos promovem uma aproximação entre as instituições e a comunidade, além de acolher futuros estudantes.


A servidora Isabel Motta informa que haverá duas turmas de 20 estudantes para a faixa etária (3 a 6 anos) fomentada pela Positivo. Neste momento, as famílias interessadas devem aguardar a capacitação que a Fundação First oferecerá para a organização. Os 40 estudantes que serão atendidos participarão do Torneio FLL Jr Discovery, que acontecerá pela primeira vez no Brasil, com etapa nacional no Rio de Janeiro-RJ.

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página